Cerveja de Bandeja; Therezópolis Jade IPA, boa, bonita, barata e versátil

Therezópolis Jade IPA: boa, bonita, barata e versátil – Foto de Bruno Agostini

Já faz alguns anos que um dos meus estilos de cerveja preferidos é a IPA. E, dentro dessa seara, a Therezópolis Jade é a que mais frequenta meus copos. Por três razões: é boa, barata e eu encontro facilmente, não só por estar em quarentena na cidade de mesmo nome, mas também porque a marca está espalhada por bares e mercados cariocas.

Quando digo que é boa, é porque ela é bem-feita, dentro dos padrões de uma IPA clássica. É amarga, maltada e tem 6,5% de álcool, é forte e aromática, inteiramente dentro do estiço. Por barata o seu preço médio, em mercados, é entre R$ 10 e R$ 14, ainda ,mais e se considerarmos que a garrafa tem 600 ml. Em bares, gira entre R$ 18 e R$ 20.

No Maguje geralmente ela também a parece “on tap” – Foto de Bruno Agostini

Entre os locais que encontro, além do supermercado Zona Sul e as Lojas Americanas, estão o Itahy, além do bar Maguje, que montou uma microcervejaria da marca, e geralmente ali encontramos também o chope, o que não é fácil (ela também pode aparecer em drinques). Como se espera de uma cerveja lupulada, tem notas florais, e como se espera de uma IPA, tem sabores maltados e é encorpada. Gosto no churrasco e com hambúrgueres, e também com queijos de sabor intenso e untuosos, especialmente os azuis, como roquefort e gorgonzola.

Já provei com quase tudo, de empanadas picantes a pizzas, que devem ser igualmente apimentadas, e com costelinha de porco fica bárbaro (geralmente no final do tempo de forno, quando tiro o papel laminado, rego a carne com a cerveja, e aí tudo fica ainda melhor). Carbonadde flamande, prato típico da Bélgica, cuja carne é marinada em cerveja, que é a base do molho, saboroso e encorpado, geralmente é preparado com exemplares nacionais (ales encorpadas, como Chimay, por exemplo), mas já fiz com a Therezópolis IPA, e ficou show de bola. Também já marinei e finalizei frango assado com ela. Sou fã, reconheço, mas entre as razões está uma não citada entre as três lá acima: ela também é versátil.

E MAIS:
Leia todos os posts dessa coluna, “Cerveja de Bandeja”: clique aqui.

 

 

2 commentários
  1. Fiquei encantado com a história da cerveja, explicação bem esclarecedora e os vasilhames, rótulos, cores são de excelente beleza plástica. É de dar água na boca. Sempre admirei sua competência como cervejeiro. Você é o cara. Espero que alguém um dia de o valor que você merece. Parabéns meu querido genro Tom…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *