De Bar em Bar: coquetelaria de alto nível, agora com entregas em casa

Parceria: Lelo Forti e Alex Miranda, do Mixxing e do Stuzi, com Eder Heck, do Mr Lam – Foto de divulgação

Além das lives, sobre os mais variados assuntos, um fenômeno dessa detestável pandemia é a entrega de drinques em casa. Eu não me lembro de ter visto esse serviço antes da Covid-19. Tudo começou meio que timidamente, com botecos como o Bar do Momo (que voltou a fazer entregas essa semana, depois de breve parada), mandando garrafinhas de plástico com suas batidas.

Depois, a tendência alcançou os melhores bares da cidade dedicados á coquetelaria, e hoje é possível receber negroni, dry martinis e outros coquetéis preparados por alguns dos melhores bartenders da cidade, como Tai Barbin, Alex Miranda e Lelo Forti, entre outros.

“Os engarrafados era um projeto que a gente já tinha, e que gente acelerou o processo dele agora para efetivar e fazer acontecer com a vinda da pandemia, né? É um jeito de a gente poder mandar um pouco de Liz para a casa das pessoas, pros nossos clientes que já estavam com saudades do Liz, agora eles podem ter um pouco do gostinho do Liz em casa. A gente começa com uma linha de coquetéis clássicos, assim como a gente fazia no Liz, a gente volta à receita original deles, e faz passo-a-passo. Os coquetéis já estão prontos para o consumo, então  é só você botar na geladeira ou freezer, tirar, botar num copo com gelo,  tem instruções atrás, e beber. Já tem a diluição, já tá perfeito. O feedback que estamos tendo é lindo. E é uma produção totalmente artesanal.  Não tinha empresa de criação, não tinha nada disso, a gente que fez o design do rótulo. Aí,  a gente manda imprimir na gráfica, volta, eu corto com estilete. Corto o papel da tampo, e carimbo, garrafa por garrafa”, diz Tai Barbin, da Liz Cocktail & Co.

Fizemos uma seleção carioca com alguns dos mais recomendados.

 

Drinques clássicos no bar Liz, preparados por Tai Barbin, que cuida até da rotulagem – Foto de divulgação/Rodrigo Azevedo

Liz Cocktail & Co: Fenômeno de público (e mídias sociais) desde a inauguração, no finalzinho do ano passado, a Liz Cocktail & Co tem no comando do bar o estrelado mixologista Tai Barbin, que explica o projeto: “Os engarrafados era um projeto que a gente já tinha, no Pipeline, e que gente acelerou o processo dele agora para efetivar e fazer acontecer com a vinda da pandemia, né? É um jeito de a gente poder mandar um pouco de Lis para a casa das pessoas, pros nossos clientes que já estavam com saudades do Lis, agora eles podem ter um pouco do gostinho do Lis em casa. A gente começa com uma linha de coquetéis clássicos, assim como a gente fazia no Liz, a gente volta à receita original deles, e faz passo-a-passo. Os coquetéis já estão prontos para o consumo, então  é só você botar na geladeira ou freezer, tirar, botar num copo com gelo,  tem instruções atrás, e beber. Já tem a diluição, já tá perfeito. O feedback que estamos tendo é lindo. E é uma produção totalmente artesanal.  Não tinha empresa de criação, não tinha nada disso, a gente que fez o design do rótulo. Aí, a gente manda imprimir na gráfica, volta, eu corto com estilete. Corto o papel da tampo, e carimbo, garrafa por garrafa”, diz Tai. O Lote 1 tem Negroni (R$ 89), Dry Martini (R$ 99), Old Fashioned (R$ 115), Gin Tônica com três tônicas Prata (R$ 99) e House Milk Punch (R$ 89). A taxa de entrega é de R$ 16, e quem quiser pode passar lá para buscar (quintas, sextas e sábados). Cada garrafa tem 375 ml (serve quatro drinques).  Por ora, não estão fazendo comida.
Pedidos  por mensagem direta no Instagram @lizcocktails.
Tel. 98460-7332.

Menu chinês harmonizado com drinques, em quatro etapas – Foto de divulgação

Mr Lam-Stuzzi: A parceria entre o restaurante chinês e o bar de drinques de inclinações italianas rendeu um menu harmonizado, com quatro entradas do asiático e quatros drinques do bar, serviço vendido pelo site do Mr. Lam (mrlamdelivery.pedir.online), que está entre os que desenvolveram serviço próprio de entrega. Entre as comidinhas do menu em quatro passos, que custa R$ 150 e é indicado para duas pessoas, estão os satays (espetinhos de frango com molho secreto da casa), rolinhos primavera e o chamado camarão dos presidentes, apimentado. Para beber, tem  moscow mule, bloody mary e old. Os drinques também podem ser pedidos separadamente, e com outros pratos do menu do Mr Lam (nós indicamos fortemente o ma mignon, os pratos com pato e os dumplings.
www.mrlam.com.br
Tel.: (21) 2286-6661.

Os coquetéis do NOSSO Ipanema também são enviados em garrafas, de 375 ml – Reprodução do Instagram @nossoipanema

NOSSO Ipanema: Depois de ficar um tempo fechado o Nosso passou a fazer entregas, de comidas e bebidas.  Para comer, além de conservas da casa, um menu de sanduíches já testados e aprovados: NOSSO burguer (brioche), nosso blend 180g, queijo, alface, tomate, picles, maionese dourada (acompanha batata rústica); NOSSO frango crocante (brioche), frango supercrocante, maionese japonesa, picles (acompanha batata rústica) e NOSSO bun (pão de vapor), porco con­t, kimchi, aioli, picles e cebolinha (acompanha coleslaw com kimchi).  Para beber são três drinques: boulevardier (Wild Turkey, vermute tinto e Campari) , Negroni envelhecido (bulldog, vermute tinto e Campari e old fashioned (Appleton, blend de runs, calda de rapaura, bitters (no quatro casos, servidos em simpáticas garrafinhas de 375 ml, o que dá para quatro  coquetéis).
Pedidos pelo iFood.
www.nossoipanema.com

 

 

—————————————–ATUALIZANDO——————————————

“A tendência dos ‘premixed drinks’ já existia mundo afora” – Por André Martins (advogado e enófilo, além cozinheiro amador e mixologista idem – mas quase profissional)

O nascimento do delivery de craft cocktails no Rio, é – sem dúvida – contemporâneo à quarentena. Porém, a tendência dos “premixed drinks” já existia mundo afora, pude conferir em vários lugares: Cipriani (Veneza), Bar Termini (Londres), Dante e Death & Co. (NY)… Aqui em casa não seria diferente, toda vez que recebo um número maior de amigos, preparo garrafas de litro e meio de Negroni e Manhattan que ficam guardadas a -4°C. No último @osgastronautas aqui, cujo tema foi “Churrasco na Laje”, fizeram sucesso. Esse procedimento permite que a padronização (que fica tanto mais ameaçada quanto bebemos), a diluição e temperatura de serviço estejam sempre como gostaríamos. O NYT publicou um artigo muito legal sobre o tema, no começo do ano passado, intitulado “Shaken? Stirred? Sorry, Your Martini Has Already Been Mixed”. Vale a leitura. Vai uma dica que aprendi às próprias custas: grandes quantidades tornam mais difícil medir os ingredientes, dosadores não se prestam a isso por terem volumes pequenos, então uso uma balança digital. No caso do Negroni clássico, por exemplo, uso 500g de cada ingrediente. Depois é só diluir, se quiser, e engarrafar.

@menu_agostini Complementando: um território desconhecido aqui no Rio, mas já bem explorado mundo afora, são os frigobares de hotéis. Eu, por exemplo, adoro encontrar umas garrafinhas de cocktails na geladeira do quarto.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *