O stinco de cordeiro do Amir: este prato memorável volta ao menu mês que vem

A canela de cordeiro serve bem de duas até três pessoas, dependendo das entradas indispensáveis da casa libanesa do Lido – Foto de Bruno Agostini

No Rio, sábado é tradicional dia de feijoada e, para os fortes,  de angu à baiana, como no caso do excelente Bar da Amendoeira e o brilhante Adonis.

Já o domingo é dedicado ao cozido, popular em toda a cidade.

No Amir, porém, os fins de semana reservam um prato mais que especial: canela de cordeiro, cozida lentamente em pomposo molho vermelho de tomates e muitas especiarias perfumadas.

O gigot de cordeiro,  como chamam na França e que faz sentido em se tratando do Líbano de histórica influência gaulesa e cristã, é um dos melhores pratos da cidade com este corte ovino não tão fácil de se encontrar. No Amir eles usam a denominação italiana e chamam de stinco de cordeiro.

A carne se desmancha, o sabor é rico, bem pronunciado nos temperos árabes como a canela, a pimenta síria e outros elementos marcantes da cultura árabe.

Sou louco pela cozinha do Oriente Médio, como nunca me canso de repetir.

Para acompanhar, temos um cuscuz marroquino que muito bem acomoda o molho, que tem personalidade, com densidade na textura e no sabor. Além disso, uma espécie de ratattouille reforça bem o caráter mediterrâneo da receita, combinação popular do Oriente Médio até a porção ocidental do Norte da África, muito apreciado pelos povos muçulmanos.

Eu acho bom comer com a coalhada seca da casa, que traz frescor e acidez ao prato, e carrego na potente pimenta da casa,  item fundamental nos banquetes que o Amir proporciona.

E o Amir é um porto seguro pra mim há muito tempo, uma certeza de satisfação, um templo dos prazeres carnais, e também saladeiros.

Esse é um legítimo cordeiro de Deus,  desses pratos que marcam nossas vidas pra sempre, um marco. Existe o Amir a.C. e o Amir d.C.: antes e depois do divino Cordeiro, agnus dei, e a mesa do restaurante da praça do Lido é um altar onde reverenciamos o paladar.

Peça um tinto parrudo nas tardes frescas do outono, ou mesmo um branquinho com boa acidez (adoro cordeiro bem condimentado com Riesling e Alvarinho, por exemplo) pra melhorar ainda mais o momento.

No mais, peço sempre as pastas, esfirras e outras delícias que fazem deste um dos meus lugares preferidos no Rio. Desde nosso primeiro encontro ali no começo deste século…

Perguntei para a querida Yasmin Boushi, sócia da casa, que me respondeu.

“Por enquanto estamos com nosso arroz de cordeiro. O stinco volta em breve, no final de abril, início de maio”, ela disse.

Bem, o arroz de cordeiro é igualmente dos Deuses. Para católicos, muçulmanos,  judeus, xintoístas, budistas e adeptos de todas as religiões.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.