Com padaria, bistrô, bar de vinhos e espaço para aula, abre as portas hoje o novo Prosa, no Jardim Botânico

O prato com a linda charcuterie de Friburgo do Porco Alado (@porcoalado) – Foto de Bruno Agostini®

Está abrindo as portas hoje, oficialmente, o novo Prosa, no Jardim Botânico, onde antes era a Casa Carandaí, na rua Lopes Quintas. É o novo Prosa na Cozinha, que cresceu, e hoje maior se divide em quatro. Mas tudo no mesmo espaço.

Oficialmente, porque na quarta já teve aula inaugural da chef Manu Zappa, uma das sócias, ao lado do seu colega e amigo Ricardo Lapeyre, do vizinho Escama, para mim a grande novidade na gastronomia do Rio no ano passado, que foi farto de aberturas muito legais.

O raro Nduja, embutido de porco envolvo na crépinem típico da Calábri: cremoso e picante mesmo – Foto de Bruno Agostini®

São quatro espaços em um. Você pode entrar e subir a escadinha de acesso à lojinha e padaria, a Fermento, logo à porta. No espaço encontramos uma criteriosa seleção de produtos brasileiros, orgânicos e sustentáveis, com a curadoria de Manu e de seu marido, o escritor Andre Tartarini, além de uma padaria, com vitrine refrigerada que exibe embutidos e carnes curadas da excelente charcutaria de Nova Friburgo Porco Alado, queijos e alguns itens de rotisserie produzidos ali, com rosbife, saladas e terrines.

Uma parte da área de exposição é dedicada aos cozinheiros amigos. E lá já encontramos a elogiada rillette de pirarucu com limão, cebola, alho, azeite, sal e pimenta. E também os tomates assados do Ronaldo Canha, do Sitio do Formoso, e atual consultor do quiosque Qui Qui, em São Conrado, muito bom, por sinal.

O steak tartare, uma das opções do menu do bistrô O prato com a linda charcuterie de Friburgo do Porco Alado (@porcoalado) A parede de vinhos: seleção prioriza os naturais – Foto de Bruno Agostini®

Mas quem chega pode ainda seguir direto pelo corredor, indo até o bistrô que funciona nos fundos, como era nos tempos da Casa Carandaí. Funciona, por enquanto, só para o café e o almoço. Mas com o tempo provavelmente vai abrir até o jantar também.

A seleção do Copas prioriza os vinhos naturais – Foto de Bruno Agostini®

Com andar de cima, com acesso pela parte da frente da loja, está o bar de vinhos, o Copas, novamente com uma lista de rótulos, ainda pequena, mas certeira, com predominância total dos naturais e biodinâmicos, mas com direito a champanhe Taittinger, por exemplo.

Além da aula inaugural, ontem, à boca miúda, o Prosa já abriu as portas. Fui chamado para uma confraternização de abertura, com direito a galette des Rois do chef francês Frederic Monnier (ontem era Dia de Reis).

Vivente: delícia de Pét-Nat brazuca – Foto de Bruno Agostini®

Foi pura alegria embalar a noite com garrafas da vinícola Vivente, um Pét-Nat branco e um roré, duas delícias que, coincidência ou não, eu destaquei ontem na coluna Enoteca YMG, no site You Must Go, da querida amiga Renata Araújo (link aqui).

Gosto tanto deste embutido, e ele é tão raro, que repito a foto: provem em cima de um ovo frito – Foto de Bruno Agostini®

Teve tábua de charcuterrie, delícia. Provem uma deliciosa raridade: Nduja, um embutidos calabrês, uma espécie de patê de porco bem condimentado, com pimenta que lhe dá cor e ardência. Lembra uma sobrassada mallorquina, para quem conhece. Muito bom. Repare que é envolvido pela crépine (redaño, em espanhol), a membrana que envolve o estômago do porco, um espetáculo (pode acreditar).

As bagetes fresquinhas do Fermento, a padaria do Prosa – Foto de Bruno Agostini®

Vale atenção aos pães, bem como ao cremoso steak tartare, com ovinho de codorna frito e mix de raízes, com batatas-doces coloridas e baroa fritas. Menu de lançamento no fim do post.

Polenta de milho crioulo e panelinha de cogumelos: delícia! – Foto de Bruno Agostini®

Bom ainda vou rever o amigo Cristóvão Duque dando expediente na cozinha, ele que é o braço direito do Lapeyre desde os tempos de escola. De suas mãos, além do tartare, saiu ainda essa polenta de milho crioulo (incrível produto artesanal mineiro, à venda na loja), de sabor amendoado e textura mais crocante com panelinha de cogumelos, clássico da Manu em suas aulas para homens solteiros. Delícia.

“Baião de polvo”: feijão, arroz caldoso e polvo — Foto de Bruno Agostini

Aí, veio  a inédita para mim combinação entre polvo e feijão, que adorei de verdade também. O “baião de polvo”,
feijão verde, arroz de altitude, queijo coalho, bacon artesanal. Cremosidade, sabor, tudo junto, com farofinha e cebola roxa para dar crocância.

Depois, uma espécie de panacotta de coco com uma calda de maracujá e um crumble.

Por fim, Galette des Rois. Esqueci de clicar…

Merci.

Mais informações no Instagram deles, onde você encontra a agenda de eventos no Prosa na Cozinha, os menus, as novidades etc.  Dia 12, por exemplo, tem Paula Prandini, do Empório Jardim, dando aula de brunch. Bem, brunch tem que ter eggs Benedict, e os melhores que já comi no Rio, repetidas vezes, foram no Empório Jardim. E eles são um dos itens do menu.

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.