Champanhe, por Luís Henrique Zanini

As caves subterrâneas da Pommery, porque “Champanhe é História”: na Segunda Guerra as famílias da região se mudaram para lá, para fugir dos bombardeios

Eu já gostava de vinhos, bebia às vezes, e lia sobre o assunto, sem grande paixão, apenas como complemento a um interesse maior, a comida. Até que em 2001 comecei a escrever sobre viagens, e vi no mundo do vinho uma oportunidade para um jornalista iniciante. Acontece que o vinho é um caminho sem volta a partir do momento que você começa a ter contato com os produtores, esses agricultores mágicos que transformam a mais fantástica das frutas em vinho. Pessoas que fazem vinho geralmente são generosas, entendem a terra, a natureza e geralmente rendem conversas deliciosamente intermináveis sobre este universo tão amplo que é o vinho: a vida no campo, os ciclos da vinha, o amadurecimento das uvas, a fermentação, o prazer da boa mesa… Se tem algo melhor do que o vinho são as pessoas que fazem vinho, e esta é a sorte maior deste meu trabalho. Não vou fazer uma lista de tantas pessoas incríveis que tive a oportunidade de conhecer através do vinho, incluindo aí sommeliers. Não quero me alongar, só fiz esse preâmbulo para dizer que entre tantas dessas pessoas maravilhosas, uma das que eu mais admiro é Luís Henrique Zanini. Admiração que só vai crescendo ao longo do tempo, pelos vinhos que faz, pela forma como se comporta, pelos pessoas que escreve e por outras razões, como essa. Ele escreveu recentemente um artigo sobre Champanhe para o jornal francês Le Figaro. Só isso, apenas isso. Além do mais, nos concedeu o privilégio de sermos os primeiros a publicar o texto em português. Uma honra, uma alegria.

Obrigado, amigo. Muito obrigado mesmo. E parabéns.

Na região de Champanhe as fachadas das casas são enfeitadas com o ofício da família que ali reside: esses fazem vinhos – Foto de Bruno Agostini

CHAMPAGNE, POR LUÍS HENRIQUE ZANINI*

A última vez que estive em Champagne foi na primavera de 2017. 

A emoção de desembarcar na estação de trem em Epernay é única. Desta vez resolvi alugar uma bicicleta e percorrer pedalando as vielas do vilarejo. 

As folhas viçosas e verdejantes,  e os pequenos  cachos iluminados pelo sol se esparramavam pelos vinhedos, escrevendo uma poesia ímpar. Para mim, Champagne  é História, é cultura, é o gênesis  das estrelas, é o equilíbrio entre terra e cepas.  Champagne congrega todas as almas do vinho, em um único lugar. Champagne é parte inigualável da história do homem, companheiro nas suas vitórias e conquistas, ou consolo nas dores inevitáveis.

Vinhedo em Hautvillers, na região de Champanhe – Foto de Bruno Agostini

Degustei o que pude, de pequenos e de grandes produtores. Alguns clássicos e também outros  desconhecidos para mim, até então. Dentro daquela  rica diversidade,  prefiro o champagne autoral aquele que revela o rosto de seu produtor.  Champagne  permite estas escolhas.

Meu  vinho  favorito certamente é o do Anselme Selosse.   Gosto de artesãos do vinho, gosto de sua inquietude. Para mim é um produtor original que imprime sua assinatura em suas borbulhas.

O Jacques Selosse Blanc de Blancs Grand Cru Millesime 2002 (Zanini cita o 2013) – Reprodução

Até hoje, o Champagne  que mais me tocou  foi  Jacques Selosse Blanc de Blancs Grand Cru Millesime 2003. Nunca sabemos o que torna um vinho inolvidável, para além da sua beleza intrínseca. Talvez a magia do momento, talvez com quem dividimos a garrafa, o lugar, os sons… Mas isso não importa quando fecho os olhos e lembro da descoberta deste champagne: ele se revela sempre numa linda e autêntica sensação que faz dele algo inesquecível.

 

* Enólogo, dirige a vinícola Vallontano, no Vale dos Vinhedos (distribuída pela Mistral), e participa de outro projeto de sucesso na enologia brasileira, a Era dos Ventos, uma cantina de butique, com produção pequena, biodinâmica, com uma linha de vinhos encantadores, realmente especiais. Nos dois casos, as uvas que passam pelas mãos carinhosas de Zanini resultam sempre em belos vinhos, autênticos, delicados, equilibrados e cheios de poesia, com é a personalidade do próprio enólogo.  Bebam os seus vinhos.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *