De Bar em Bar: o que que é isso? Chouriço (onde comer morcela no Rio?)

Recanto do Baixinho: ativando memórias – Foto de Bruno Agostini

Já faz um tempo, mas não me esqueço do dia em que a filha, ao ver aquela linguiça negra, inédita para ela, perguntou: “Papai, o que que é isso?”. “Chouriço”, respondi, com uma gargalhada natural.

Bar do Mineiro: “O que que é isso?” – Foto de Bruno Agostini

E era mesmo.  Estávamos no Bar do Mineiro, em Teresópolis, um boteco-boteco, desses que adoro frequentar, que “importa” o embutido de Além Paraíba, cidade mineira na divisa com o Rio. Poucas coisas combinam tão bem com cerveja e pimenta quanto um bom chouriço, que também encontro no Recanto do Mineiro, dissidência do Bar do Mineiro, com cardápio praticamente igual (belos torresmos encontramos em ambos).

A rima lembra a expressão antiga, quando alguém queria desviar algum assunto, me remeteu à infância, e traz além dessa memória o prazer de apreciar uma das coisas que mais gosto de comer: chouriço ou morcela, como prefira chamar, o embutido de porco que leva sangue na receita. Lamento que a gente não tenha tanto apreço por essa deliciosa iguaria, tão comum nos vizinhos Uruguai e Argentina, e também em Portugal, na Espanha e na França (Alsácia, em especial).

Esplanada Grill: morcilla da paulistana Pirineus – Foto de Bruno Agostini

No Rio, onde é raro acepipe, só é comum encontrarmos em churrascarias de acento platense, como El Chaco Parrilla e Pobre Juan, mas também em algumas nobres casas de carne, como a churrascaria Palace e o Esplanada Grill, que tem muitos itens especiais que tanto aprecio, como este, e também alheiras, por exemplo – em ambos os casos, vale pedir ainda uma dupla de ovos estalados (como combinam).

Herr Pfeffer, com ovos estalados – Foto de Bruno Agostini

O meu bar preferido no mundo, já escrevi aqui, é o Herr Pfeffer, e lá podemos também pedir uma boa morcela, com ovos fritos.  Só isso já faz essa casa alemã ganhar muitos pontos em minha estima.

Sinto falta, imensa, do cozido do Antiquarius, cuja miríade de elementos tinha uma respeitável morcela. Ai, que saudade…

Adega Pérola, estrelas da vitrine – Foto de Bruno Agostini

Outro lugar amado, a Adega Pérola, tem em sua vitrine refrigerada uma sempre apetitosa porção de morcela, coberta por cebolas, pimentas e salsinha, levemente regada com azeite. Sempre que vou eu peço, assim como o polvo à vinagrete.  São meus dois itens preferidos do imenso menu de petiscos – o melhor do Rio no quesito.

Porque eu me lembrei disso? Porque a morcela do Recanto do Baixinho, em Teresópolis, que recentemente apreciei, é maravilhosa, e me recordou do quanto eu gosto disso. Queria uma morcela agora. Acho que amanhã vou voltar lá.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *