SULT, uma das melhores novidades da temporada no Rio: só podia ser em Botafogo

O salão do SULT, com a cozinha aberta – Foto de divulgação

 

O SULT é uma das melhores novidades do Rio. Funcionando desde o final do ano passado, a casa é mais um desses restaurantes de perfil moderno, natural e aconchegante em Botafogo, o bairro mais legal e saboroso do Rio de alguns anos para cá. É onde encontramos casas de perfil moderno, e onde tenho comido e bebido melhor nos últimos tempos (vide Oteque, Irajá, Lasai, South Ferro, Lima Cocina Peruana, entre vários outros, fora os bares, como Meza e Quartinho, hamburguerias, enotecas, cervejarias, cafeterias e o incrível Be + Co). Paro por aqui para não me alongar muito, mas poderia citar, fácil, mais uns dez lugares de que gosto muito.

Thiago Flores, com passagens por  D.O.M., El Celler de Can Roca e Mirazur – Foto de divulgação

Ainda não consegui visitar a casa, o que farei em breve, mas acompanho o trabalho desde o início do projeto, e estou observando o cuidado com todos os detalhes. Basta seguir o Instagram deles para ver (@sult.restaurante). Pratos lindos, e bem bolados. O time é liderado pelo chef Thiago Flores – entra no perfil dele nesta rede social fotográfica para ver as imagens e descrições dos pratos (@floresthiago) e de um dos sócios Nelson Soares (@nelsoaresp), meu amigo, e que também é um baita cozinheiro. Para o bar, a consultoria é de Alex Mesquita, que dispensa apresentações. Montaram uma bela equipe de cozinha e salão.

O sommelier argentino Rodrigo Calderón: expediente na casa, de ontem até a próxima terça – Foto de divulgação

Para resumir o currículo de Thiago, vou dar apenas três casas: D.O.M., El Celler de Can Roca e Mirazur. O primeiro vive ganhando prêmios de melhor do Brasil, o segundo já foi eleito o melhor do mundo, condição atual do terceiro – que, aliás, assim como El Cellar tem três estrelas Michelin. Só isso.

Fregola sarda com polvo: menu muda sempre, mas esse já parece um prato tombado, que também surge com mexilhões em vez dos tentáculos – Foto de divulgação

Foi no Mirazur (para ler um post que escrevi sobre este restaurante realmente extraordinário, clique aqui) que Thiago Flores conheceu o sommelier Rodrigo Calderón. Mesmo fora do restaurante do chef argentino Mauro Colagreco, seu compatriota, dono do Mirazur, é ele quem escolhe os vinhos até hoje – e desde 2010. Hoje tem um espaço para eventos de vinhos em Buenos Aires, mas vive viajando o país, visitando produtores etc, e está produzindo seu próprio vinho. A notícia é que desde ontem, e até a próxima terça, o sommelier vai estar dando expediente no SULT. Excelente oportunidade de conhecer a casa, eu diria.

Carne cruda com um belo naco de cardoncello e grana padano – Foto de divulgação

– Mais do que tudo, a presença de Rodrigo significará para nós, do Sult, uma semana de celebração, que marcará a abertura oficial da casa, que ontem completou dois meses de funcionamento em soft opening – diz o empresário Nelson Soares.

Risotos: uma das apostas da casa, de inspiração mediterrânea – Foto de divulgação

Thiago Flores – talvez o chef mais tranquilo e zen que eu já conheci – mostra animação com o novo projeto. E nós do Menu Agostini cravamos desde já: será um sucesso (sim, gostamos de fazer previsões).

Ostras + manjericão + maracujá + interessante combinação – Foto de divulgação

– O SULT nasceu da vontade de ter um restaurante que a gente gostasse de frequentar. Um restaurante que estivesse desarmado de luxo, casual, mas que tivesse a nobreza de trabalhar bem as técnicas de cozinha, cuidar bem dos produtos, construir uma boa relação com os fornecedores e com os clientes, que dê vontade de voltar. Que os clientes se sintam à vontade. Um restaurante acolhedor. Que não seja uma experiência para você ir uma vez por ano. Queremos que os clientes voltem quinzenalmente, mensalmente. Diante disso tudo, nada mais afetivo do que a cozinha italiana. Todo mundo carrega uma lembrança, uma memória de uma massa, um risoto. Uma coisa que mexa com o coração das pessoas. Fazer bons molhos, bons caldos. Estamos começando um trabalho com massas frescas. Uma cozinha espontânea, intuitiva, sazonal. O cardápio muda diariamente, como reflexo do nosso anseio por experimentar, por testar, ter uma cozinha provocativa, saborosa, com novidades. Devemos estabilizar um cardápio fixo em breve, mas sempre trabalhando sugestões. Está sendo muito natural o processo. Um projeto muito bem cuidado, mas sem ser chique, uma sofisticação simples, calorosa – diz Nelson, que escolheu para a carta vinhos, com exemplares que adoro, como o brasileiro Era dos Ventos (dos melhores do país) e  e rótulos da importadora Gavinho, que só vende naturais, biodinâmicos etc.

A fachada da casa, na rua Fernandes Guimarães – Foto de divulgação

(Um parêntese: hoje, 17h30, estava entrevistando o Thiago Flores, e ele me disse: “Vou procurar umas fotos, assim que acabarmos de fechar o menu de hoje aqui”. Sim, o cardápio só sai perto da abertura, não é para qualquer um, mas só para os melhores, os corajosos e os que apostam nos ingredientes mais frescos. Já estou gostando do SULT, assim como gosto dos envolvidos)

Risotos: uma das apostas da casa, de inspiração mediterrânea – Foto de divulgação

– O ambiente e o cardápio foram inspirados num restaurante de Copenhague chamado Mangia. Inspiração na culinária italiana, mediterrânea, principalmente, com produtos frescos, pouca intervenção, priorizando os ingredientes, como na Itália. Cozinha completamente aberta, voltada para o salão. Mas com a técnica do Thiago, com base francesa. Trazemos esses elementos, simplicidade nos ingredientes,  com apresentação minimalista. Menu enxuto, girando entre cinco entradas, seis ou sete pratos e três sobremesas. Desde que abrimos só repetimos o menu duas vezes de um dia para o outros. Mudam de acordo com a disponibilidade. Nesse momento estamos testando o público. Já preparamos cerca de 50 pratos diferentes desde a abertura, entre entradas, pratos principais e sobremesas. Tem que imprimir o cardápio todo dia – conta o sócio Nelson Soares.

Tiramisu: a melhor sobremesa do mundo! – Foto de divulgação

-Escolhi 47 rótulos para a primeira carta de vinhos, com certa diversidade, com uma pegada de vinhos orgânicos, sustentáveis, biodinâmicos e naturais.  Hoje estamos com 32 vinhos diferentes, e também é uma lista dinâmica, que também é bem rotativa assim como o menu. E também já imprimimos várias vezes a carta – diz Nelson.

Sorvete, crumble, frutas vermelhas – Foto de divulgação

Desejamos sucesso, com a certeza de que será.

SERVIÇO
SULT: Rua Fernades Guimarães 77, Botafogo.  Tel.: 3486-6777. Página do Facebook.

 

2 commentários
Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *