Vinho da Semana: Herdade dos Coteis branco 2018 – porque não existe vinho de inverno

Aproveite antes da atualização dos preços, com a subida do dólar e do euro: porque está uma pechincha esse vinho – Foto de Bruno Agostini

Na última semana recebi três vinhos e um azeite, da Herdade dos Coteis, para participar de uma “live”. Um branco e dois tintos. Na noite de quinta durante a transmissão provei o branco,  safra 2018, que já tinha usado para a marinada de um pato.

Era um vinho bem fresco e bem acabado, com notas de frutas tropicais, como maracujá, abacaxi e melão, e que conforme a sua temperatura subiu, passou a ter um sedutor perfume de limão siciliano. Com boa acidez, não me faria pensar em ser um representante do ensolarado Alentejo, onde está a propriedade, em Moura, a 200 metros de altitude, nas áreas mais profundas dessa que é a maior região produtora de Portugal. É um corte de Arinto, que lhe empresta frescor e acidez, e acentua seu perfil aromático, cítrico e tropical; com Antão Vaz, responsável pelo corpo.

O vinho se mostrou vívido, saboroso e equilibrado, e no jantar combinou com um picante sanduíche de carne assada – embora sua aptidão seja principalmente para acompanhar peixes (gordos, sobretudo, como a sardinha), e carne de porco (imaginei com um clássico do Alentejo, o porco à alentejana, o lombo em cubos salteado com mexilhões), além de saladas e queijos de cabra. Com 14% de álcool, não passa em madeira, e é produzido em cubas de inox.

Gostei do vinho, e no dia seguinte fui pesquisar o seu preço: custa R$ 29,90 no site da Fox Importadora (https://foximportadora.com/vinho/237-herdade-dos-coteis-branco-750ml.html), para mim um achado, pela sua qualidade; e considerando que custa cerca de 4 a 5 euros (R$ 22/R$ 27,50, no câmbio de hoje) em Portugal, chega aqui com excelente valor (nas prateleiras do Hortifruti é vendido a R$ 52,99).

Na semana passada, o “Vinho da Semana” também foi um branco. Porque estamos no inverno, e esse papo que dias frios pedem um tinto são uma grande bobagem. Não tem vinho de verão, nem de inverno, nem de outono ou de primavera.

Para ler todos os posts dessa coluna, no ar sempre às segundas, clique neste link. Saúde!

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *