COZINHA ENTRE AMIGOS #01: Sardegna Birra e Vino (e também mariscos, cordeiro, porco…)

———————————COZINHA ENTRE AMIGOS———————————–

Forno a lenha bombando: bom para assar massas e carnes variadas, além de pães e pizzas, esfirras… – Foto de Bruno Agostini

Estava programado para acontecer no último fim de semana de março. Seria a edição #01 de um projeto que sonho fazer e acontecer: Cozinha entre amigos. Um encontro entre cozinheiros, sommeliers, produtores de alimentos e bebidas e toda a gente que aprecia a boa mesa e o convívio entre amigos numa cozinha. Na ideia original o encontro aconteceria na minha cozinha mesmo, onde podemos brincar com fogão e forno a lenha. No iglu que vira um inferninho, na churrasqueira, no defumador… Capacidade 12 pessoas.  Na verdade, incluindo a parte de dentro da casa, dá para uns 25. Mas a ideia era ser restrito a 12 mesmo. Poucos e bons.

O sírio Eyas Jouhra e seu PF árabe – Foto de Bruno Agostini

Seria com o sírio Eyas Jouhra, um refugiado da guerra civil que assola o seu país há alguns anos. Ele é dono e cozinheiro do pequeno restaurante Eyas Cozinha Árabe,  em Teresópolis, bem em frente ao bar Recanto do Baixinho, pé-sujo com comida deliciosa, que muito frequento, perto do ginásio municipal, o Pedrão. Recomendo esses dois lugares, sendo que até onde eu seu o Eyas só está entregando no momento (só ligar no 21-97579-8770 ou mandar uma mensagem neste WhattsApp).

Sua comida é deliciosa. O pão árabe, as pastas clássicas (coalhada seca, babaganuj e homus), a kafta, seja em forma de sanduíche seja em forma de refeição, os charutinhos (de repolho, de couve: provem!), o arroz com lentilha, o quibe e uma esfirra sensacional.  Salada fatuche, falafel.. Tudo excelente, vale a pena pedir. Tem um burger de kafta, com cebola frita e homus, muito bom, bem como os kebabs. Para provar um pouco de tudo, peça o PF árabe, reunindo

O PF árabe, com charurinho de couve, homus, coalada seca, babaganuj, salada fatuche, arroz com lentilha e cebola frita, falafel e kafta – Foto de Bruno Agostini

Nosso menu seria assim: ele prepararia quibe e esfirra, falafel, as pastas e o pão árabe. Seria o primeiro serviço, harmonizado com vinho ou cerveja. Depois, kafta e arroz com lentilha, pastas ainda na mesa, para complementar o prato. De novo, vinho ou cerveja para combinar e alegrar. Em seguida, uma especialidade da casa: eu faria um cordeiro com sete especiarias, com molho de vinho no caldo do cozimento, e cuscuz marroquino, com passas, cebola roxa e damasco. Ele serviria uma singela sobremesa, mas deliciosa: um bolinho delicado de semolina,o mahmoul.

Já tinha feito fotos e um texto de apresentação, que publicaria neste site, no Instagram (@menu_agostini e @bruno agostinifoto) e Facebook etc. Ia gravar um vídeo apresentando o menu, as cervejas e os vinhos. Só faltava decidir as bebidas para lançar esse almoço que aconteceria em um domingo, e talvez no sábado do último fim de semana de março. Daí, dia 19, ou algo assim, como se sabe, tudo fechou.

O cardápio, rascunhado – Foto de Silvio Podda

Passei um tempo repensando o projeto, e acredito que no momento seja melhor fazer em restaurantes no Rio, que já estão praticando as normas de segurança, e voltando ao seu funcionamento (novo) normal. O Cozinha Entre Amigos #01 acontece num dos meus lugares mais queridos, A Casa do Sardo, em São Cristóvão, com um dos grandes amigos que a comida me deu: o sardo Silvio Podda, com quem passei dez dias na Sardenha (estamos trabalhando no projeto de um livro sobre a viagem e a gastronomia da ilha, seus pratos, ingredientes, bebidas, receitas e muitas boas histórias). Estamos definindo os últimos detalhes: data, vinhos, preços etc.

A Saison da casa, ótima pedida para os dois menus – Foto de Bruno Agostini

Em breve eu publico aqui o menu completo, com todas as demais informações.

Vôngoles na Vernaccia: base para a fregola maremonti – Foto de Bruno Agostini

Sardegna Birra e Vino, que vai inaugurar a série COZINHA ENTRE AMIGOS vai ser assim: Começa com uma fregola maremonti, preparada com mariscos e porco; malloredus ao ragu de cordeiro; e “maiale alla birra” – ou seja: porco na cerveja ­(no caso, a bela Tripel da casa). Para o prato principal… Imagine uma espécie de carbonara ácida de cordeiro? Pois é disso o que se trata o agnello limone e uova, para o qual recomendamos o Mamuthone, um Canonnau de grande relevo.

Seadas, sobremesa tradicional da Sardenha: pastel de pecorino regado com mel – Foto de Bruno Agostini

Para a sobremesa, seadas, o doce mais tradicional e popular da Sardenha, um pastel de pecorino regado com mel.

Eu (com boné de outro amigo, Marcelo Malta, do Malta Beef Club) com o fratello sardo Silvio Podda – Foto: Arquivo pessoal

Eu ainda sugiro que sejam pedidos café e grappa (ou Sambuca) para encerrar como se deve essa refeição, que preparamos, como forma de ensaio, aqui em casa, algumas semanas atrás.

Stefano Fiúza, Eu, Ana Pampillon e Silvia Podda: ensaio aqui em casa para o evento Sardegna Birra e Vino” – Cozinha entre amigos – Foto: Arquivo pessoal

Posso atestar: que cardápio maravilhoso. Imperdível. Mais informações, in box. Até lá. Ou, então, peça em casa, pelo serviço própria de entregas ou pelo iFood.
(A foto de capa deste post foi feito na quarta passada, 4/11, n’A Casa do Sardo).
Já estou pensando nas próximas edições do “Cozinha entre Amigos”. E conforme for tendo mais informações, divulgo aqui e nas mídias sociais.

2 commentários
  1. Que mundinho pequeno. Sabe como ficamos conhecendo o Eyas? A esposa dele é cabeleireira da minha esposa. Ele começou fazendo comida síria em casa e entregando de bicicleta. Aos sábados e domingos ele servia pão pastas e a melhor esfiha que já comi na vida na feirinha do alto de Teresópolis. Tudo isso antes de montar o próprio restaurante. Além disso ele é um ser humano maravilhoso, assim como a esposa e os filhos. Bruno, esse mundo é pequeno

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *