De Bar em Bar: Casa Porto, onde está ancorada a alma da botecagem carioca

O PF de milanesa com vista para o Largo de São Francisco da Prainha – Foto de Bruno Agostini®

Só tinha  visitado a Casa Porto e o Largo da Prainha, recentemente, em eventos, como o show do Moacyr Luz na sacada do Bafo da Prainha.

O lugar está com tudo, um sucesso que ganhou destaque em jornais estrangeiros, e também no RJTV da semana passada, por ocasião do Dia do Samba, festejado anualmente em 2 de dezembro.
A receita do sucesso é agregar pessoas num lugar agradável, marcado pelo bonito casario histórico, que dá lugar a alguns dos bares mais legais do Rio no momento.
As mesas das janelas são as mais disputadas, claro – Foto de Bruno Agostini®
Além de todos os negócios do mago Rafael Vidal, da Casa Porto, do Bafo da Prainha, e da Tendinha, entre outras casas (em breve esse visionário abre um quiosque na orla de Copacabana), recentemente abriu por lá o Da Pedra, junto à Pedra do Sal, lugar famoso como berço do samba carioca, onde também rolam agitadas rodas toda a semana, pela mãos da turma do Bar da Gema.
Mas hoje queria ver o mundo através das janelas antigas da Casa Porto, instalada em sobrado
simpático.
O salão com piso de ardósia e janelões – Foto de Bruno Agostini®
Subimos as escadas históricas com piso de ardósia e corrimão de madeira e, então, encontramos o salão, onde seria lindo viver um baile de Carnaval.
Pode ser inspiração da arquitetura colonial do prédio, mas há uma certa melancolia típica de Portugal no ar.
Como se estivéssemos numa tasquinha do Bairro Alto ou da Mouraria.
É um derivado: um boteco típico do meu Rio é quase isso, uma birosca lusitana, com seus tremoços e azeitonas, seus bacalhaus e seus muito petiscos que reluzem nas vitrines, aquecidas ou não.
Desce um torresmo!
O cenário enobrece o almoço. A vida viaja. O tempo treme. O espaço corre. O copo amarga na cerveja. Tem Indica IPA. Sabe que até acho bom a Ambev ter comprado a Colorado? Agora encontramos por toda a parte. Com preço justo: R$ 24, no caso.
Para acompanhar… PF ou petisco?
Dúvida…
A coxinha de pernil empanada na panko vem com BBQ de abacaxi não tem massa, é só a carne desfiada e custa os mesmo R$ 24.
Mas… tem PF de milanesa. R$ 35. Com arroz, feijão e farofa de cebola. Só pedi porque tem uma salada opcional. Mas eu dispensei a cumbuca verde. Ainda inclui flan de tangerina e limonada (quase pedi uma pinga branca para alegrar o refresco).
Tem moela à milanesa… e agora???
Volto em breve. Inclusive porque o bolinho de feijão dali é de tropeiro… Meu Deus… e tem um enroladinho de linguiça com queijo que promete me fazer viajar até a adolescência: não como este salgado há uns 30 anos.
A Casa Porto diz que é um bar que insiste no Rio.
E eu, sou um cliente que insistirá em voltar.
Até zerar o menu.
Quem me acompanha?
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.