Arte da Mesa: Rogério Fasano lança livro narrando os 120 anos d hospitalidade de sua família

O livro, lançado na segunda passada, no Gero Panini, em Ipanema – Foto de Bruno Agostini®

Em 2002 o grupo Fasano completava 100 anos, desde a inauguração da Brasserie Paulista, pelo bisavô de Rogério, Vittorio. Nesta época eu trabalhava com o Luciano Ribeiro no Jornal do Brasil, e acompanhei a inauguração do Gero carioca, naquele mesmo ano palíndromo, e marcante em minha vida de jornalista. Estava começando a carreira, já me metendo a escrever de gastronomia e vinhos, e o LUP (seu apelido de login) era o crítico do JB, e conversávamos muito sobre o assunto. Trabalhávamos na revista Programa, com a programação cultural da cidade. Puta escola pra mim aqueles tempos.

Lembro de uma reportagem que ele escreveu na Revista de Domingo sobre o ‘Gero, apelido de Rogério Fasano, que abriria as portas dias depois, com grande expectativa. Falava dos bastidores da inauguração.

O Gero de Ipanema foi um marco na gastronomia do Rio, elevando os padrões de serviço, com imenso rigor na seleção de ingredientes. Logo, se tornou “o lugar”: para se estar, comer e beber bem, ver e ser visto, tudo isso, pelas mãos de uma equipe impecável.

Até hoje a gente vê grandes profissionais no mercado, muitos trazidos ao Rio por eles, ou formados ali.

Em 2006 chegou o hotel Fasano, na Vieira Souto, outro acontecimento.

E, no ano passado, eles abriram um hotel em Nova York. Hoje, seu nome está em três países. São nove hotéis Fasano (São Paulo, Rio de Janeiro, Boa Vista, Angra dos Reis, Belo Horizonte, Salvador, Trancoso, Punta del Este e Nova York) e 27 restaurantes e bares das marcas Fasano, Parigi, Gero, Trattoria, Bistrot Parigi, Nonno Ruggero, Gero Panini e Baretto. Em breve, o grupo inaugura mais dois hotéis em São Paulo e um em Miami. E certamente não vão parar por aí.

Neste contexto, há outras histórias, e os novos tempos. Mas sempre de olho no passado. Nas tradições e saberes da cultura gastronômica da Itália.

Para contar esses 120 anos dedicados à hospitalidade, meu amigo Luciano Ribeiro colocou em livro essa longa jornada familiar, de 1902, em São Paulo, até chegar em Manhattan. Apresenta a linhagem do clã: do bisavô de Rogério Fasano, a seu avô, Rugerro, e o pai, Fabrizio. Mas fala, sobretudo, de seu amigo, que em 1981 abriu seu primeiro restaurante, em São Paulo. Não é exagero dizer que nesses 41 anos conseguiu colocar sua digital de modo definitivo na história da gastronomia brasileira, mais que isso, da hospitalidade.

Criou uma marca com seu sobrenome que é sinônimo de bom gosto, sofisticação e qualidade. De luxo, porque não dizer¿, ainda que se saiba que o que busca é a simplicidade, com refinamento e elegância, e não o luxo em si. Mas o resultado acaba sendo este mesmo.

Rogério Fasana autografa exemplar do livro, na varanda do restaurante, em Ipanema, durante o seu lançamento – Foto de divulgação / Renato Wrobel®

Este mês ‘Gero está lançando “Fasano: Dal 1902”, pela editora DBA (160 páginas, R$ 250).

Está linda a publicação, que teve lançamento na semana passada, no Gero Panini onde era o primeiro endereço do grupo Fasano no Rio, na Aníbal de Mendonça. Já o Gero, hoje ocupa o espaço onde era o Fasano al Mare, na Vieira Souto (para ler um post, sobre a inauguração, clique aqui).

O chef taliano Luigi Moressa, aliás, veio ao Rio inaugurar o Gero original, em 2002. Hoje, ele comanda a cozinha dos dois restaurantes cariocas do grupo, depois de mais de 15 anos na sua Itália natal.

Fettuccine al ragù classico: à mesa, no ‘Gero Panini, e abrindo a parte de receitas do livro – Foto de Bruno Agostini®

Na última segunda fui no lançamento do livro, e no dia seguinte, voltei para almoçar.

Feliz de acompanhar isso de perto, nesses 20 anos de Rio do grupo Fasano. Foram muitas as oportunidades de estar com Rogério Fasano para entender porque tudo isso aconteceu, como um processo natural, resultado de seu extremo bom gosto e absoluto rigor, no serviço e na seleção de ingredientes. E na trilha sonora, se houver. E em todo o resto.

O livro narra isso de maneira leve, com texto ágil, inteligente e agradável, alguns assinados pelo ‘Gero. Dá para entender porque o Fasano é este ícone de elegância numa leitura leve e agradável, que flui rapidamente. De repente, acabou a História da família, e entra o seu receituário.

Mostrando que é mesmo uma marca que consagra os clássicos, a lista de pratos começa logo com um fettuccine al ragu clássico; segue com ossobuco com risoto ala milanese, ravióli de vitela e assim vai. Tem tiramisù, claro.

Termina com drinques. E, advinha o que encontramos por lá? Além de Negroni, Dry Martini e Bloody Mary, obviamente listados, ele coloca o esquecido Bull Shot.

É o básico das duas categorias: 8 pratos, 8 drinques. Só clássicos consagrados.

Parabéns, LUP, ‘Gero e companhia. @lucianoribeiro @gerofasano @fasano @moressaluigi

Obrigado por me aturar naqueles dois dias, querida @deboravidal.

SERVIÇO
Gero Panini: Rua Aníbal de Mendonça 157, Ipanema. Tel.: 2239-8158. www.fasano.com.br Instagram: @fasano

* Este texto é uma adaptação, ampliada, da publicação do Instagram @brunoagostinifoto de terça-feira passada. Aproveita para seguir, assim como também o @menu_agostini 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.