Cozinha em Revista: Nosso Ipanema, um bar de drinques e restaurante que é dos melhores do Rio nos dois casos

“Costelinha” de milho: incrivelmente bom – Foto de Bruno Agostini®

Você já foi ao Nosso Ipanema?

Este lugar é um bar ou um restaurante?
No andar de baixo ele é as duas coisas.
Um espaço exclusivo, com poucos lugares ao redor de dois balcões e apenas uma mesinha alta daquela de dois lugares.
Às esquerda, em formato de U, os bartenders interargem enquanto preparam coquetéis certeiros, entre clássicos e autorais, algumas receitas cheias de ousadia.
Méritos da dupla Daniel Estevan e seu assistente boa-praça cujo nome me esqueço.
Logo atrás, com apenas três assentos, está a cozinha aberta, onde a magia acontece através das mãos de dois grandes e jovens chefs, Bruno Katz e Gabriel Yao.
(Eu já havia escrito este texto, voltando para casa de metrô, quando entrei no site para espiar o menu e as cartes de bebidas. Na página do restaurante, a gente lê logo, com destaque: “Um bar que é um restaurante ou um restaurante que é um bar? Um lugar definido por sua experiência. Sinta-se em casa”. Pois eu me sinto mesmo).
O Cardinale, para encerrar um excelente jantar no balcão, como eu gosto – Foto de Bruno Agostini®
Nosso é amplamente conhecido como um dos melhores bares de drinques da cidade. Mas a comida, ainda que muito bem cotada e reconhecida, acaba sendo ofuscada pela fama mixológica da casa.
Pois eu vos digo: o Nosso é também dos melhores restaurantes do Rio. Originais e aconchegantes, ao mesmo tempo.
Eles entregam um menu certeiro, moderno e sem amarras, repleto de referências, sobretudo italianas e asiáticas.
O trio de ostras com os cones de salmão: para começar com frescor e intensidade – Foto de Bruno Agostini®
O novo cardápio lançado no fim do ano passado é prova disso e posso atestar.
Ostras, você sabe, estão na moda. Recomendo que prove o trio delas, para começar. E peça um drinque refrescante para acompanhar. Uma é servida com sorbet de manga picante, ar de limão e pipoca de quinoa, outra com ponzu, furikakke, azeite de carvão e a terceira com azeite verde, miognet de picles e bottarga. Que vontade de repetir.
O tartare de salmão no cone tem bom tempero, e uma casquinha crocante e delicada que complementa o prazer de comer com as mãos. É servido com aioli de sriracha e shoyu, cebola roxa, picles de semente de mostarda, gengibre negro e cebolinha, numa perfeita combinação de sabores.
Estarrecedor de delicioso e surpreendente: milho cozido, manteiga de missô e furikake de girassol
Depois, um prato incrível, a costelinha de milho. Vou postar este vídeo que gravei na hora, explicando (https://www.instagram.com/p/CaM7PJvsFxD/). Com milho cozido, manteiga de missô e furikake de girassol, me deixou emocionado e sem palavras. Escrevi assim, no Reels do Instagram (@brunoagostinifoto): “Foi na quarta passada, num jantar incrível no @nossoipanema
Esta é a “costelinha” de milho.
@eaiyao me serviu esta prato, o cúmulo da simplicidade, o ápice do prazer. Mexe com a memória, com as lembranças das espigas amanteigadas apreciadas desde a infância mais antiga no calçadão de Ipanema. Exatamente em frente à Maria Quitéria, onde meu pai me levava para sua rede de vôlei, desde que nasci. Hábito que cultivo até hoje, e que pude passar pra filha.
Estou tentando rascunhar um texto que resuma esta noite.
Não é simples exaltar a simplicidade. Mas a gente tenta.”
O gyoza de porco: não consigo lembrar de um melhor no Rio – Foto de Bruno Agostini®
Deixando o chef sugerir os pratos, nem foi preciso descrever muito a gyoza para acatar a indicação. O caldo é rico e cheio de colágeno. Umami. De virar o caldo da cumbuca ao final. E lamber os beiços. Pudera… além da carne de porco bem temperada o prato é enriquecido com kimchi, gengibre, óleo de pimenta coreana, gergelim e cebolinha. Potência e equilíbrio resumem.
O chef Bruno Katz e uma de suas obras-primas – Foto de Bruno Agostini®
Como num filme, tudo se encaminha para o clímax, que chega à mesa perfumando, instigando e convidando logo à primeira garfada. A magia acontece na boca. É o enlace da massa fina e delicada que guarda o recheio caprichado, tudo lambuzado pela fonduta cremosa e pelo caldo untuoso e rico. É o chamado NOSSO agnolotti de caccio e pepe, com musseline de batata, queijo canastra, demi-glace de legumes, grana padano, finalizado com pangrattato, produzido com o excelente sourdough da casa.
Mel x 3: leveza e delicadeza numa sobremesa que vale a viagem – Foto de Bruno Agostini®
Sobremesa?, perguntam-me.
“Gostaria de algo leve”.
Veio o arremate de ouro, chamado “mel, mel mel”. Um doce, viagem ao céu. Ápice da leveza. Combinação de ganache de mel e chocolate branco, honeycomb, sorvete de queijo e azeite. Este honeycomb é um capítulo à parte, em termos de textura e sabor, delicadeza e presença fundamental na composição do prato, dando crocância, leveza.
Fim.
SERVIÇO
NOSSO Ipanema: Rua Maria Quitéria 91, Ipanema. Tels.: (21) 99619-0099 e 2513-3974. www.nossoipanema.com Instagram: @nossoipanema
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.