Saudades do Penafiel, parte 1 – Final de semana de homenagem ao finado restaurante

Nesses tempos de quarentena, mais do escrever, cuidar das plantas e limpar a casa (sim, varrer, lavar a louça e passar paninhos úmidos para tirar poeira são ótima distração), meu maior prazer e alegria tem sido cozinhar, e isso já foi tema de post aqui neste site.

A terapia culinária é puro conforto, porque muitas vezes mato as saudades de lugares queridos, rendendo homenagem a alguns dos pratos que mais marcaram a minha vida.

Estrogonofe, arroz e batata palha: receita abrasileirada – Foto de Bruno Agostini

É o estrogonofe da Dona Irene.

Arroz de pato (ao lado, pat~e de miúdos da ave) – Foto de Bruno Agostini

É o arroz de pato do Antiquarius.

É o rosbife com salada de batatas (pedido da filha, que queria essa salada que só faço no Natal) da Taberna Alpina.

Reverência aos botecos na noiye de 29/5: gnocchi della fortuna – Foto de Bruno Agostini

É nhoque com carne assada, reverência a todos os botequins cariocas que servem o prato (os mais lindo que tenho visto recentemente é o do Bar da Frente). O mesmo vale para a feijoada.

Espaguete com bottarga, alici, azeite de limão siciliano e pangrattato – Foto de Bruno Agostini

É massa com bottarga, azeite de limão siciliano, alici e pangratatto, para lembrar da amada Itália, em especial a Sardenha.

Cassoulet com pato confit (as fritas foram pedido da filha) Foto de Bruno Agostini

É cassoulet com pato confit, recordando a França que tantas alegrias me deu à mesa.

E assim vamos driblando o confinamento.

I nefezlemte a casa t]ao tradicional fechou as portas há cerca de 12 anos – Foto de Bruno Agostini

Hoje é dia de saudar um lugar que tanto gostava de ir: o Penafiel, que infelizmente cerrou suas portas em 2007 ou 2008 (faria 100 anos em 2013), para minha imensa tristeza (fui lá no último dia de funcionamento e chorei). Ficava na rua Senhor dos Passos, coração do Saara.

O prato que mais gostava era a língua defumada no feijão-manteiga. Pedia uma cerveja, ou duas, lascava pimenta, e voltava feliz para o trabalho, inspirado pelo almoço glorioso. Se não me engano, o prato era servido às quartas, logo era esse o meu dia preferido para ir até lá.

Língua no feijão-manteiga: homenagem ao Penafiel – Foto de Bruno Agostini

É esse o prato do dia de hoje, e que vou repetir amanhã, e provavelmente na segunda. Vou servir com farofa de alho, porque gosto mesmo é de feijão com farofa. E só.

Está no fogo, brando, na panela de ferro, porque não estou com pressa: já esperei 13 anos para comer novamente o prato.

Com um tempero extra: a língua defumada do Alemão da Serra, de Guapimirim, cujos ótimos produtos já conhecia, mas não esse.

Conheça os produtos do Alemão da Serra – Foto de Bruno Agostini

Eu, que não sou bobo nem nada, cortei umas fatias fininhas (para o prato são mais grossas), para comer com picles e mostarda. Que maravilha, que sábado promissor.

Na próxima semana publico aqui a minha receita deste prato tão delicioso quanto saudoso.

————————————————

E MAIS:
Saudades do Penafiel, parte 2: Por Guilherme Studart e Paulo Thiago de Mello

Para ler todos os posts de nossa seção “Seleção Carioca”, com “O Melhor do Rio”, clique aqui.

————————————————

P.S. – Texto escrito antes do almoço de sábado, para o Instagram @brunoagostinifoto

P.S. 2 – Pedi a dois amigos e notórios frequentadores do Penafiel, Guilherme Studart e Paulo Thiago de Mello, que não por acaso já foram autores do sempre delicioso livro “Rio Botequim”, para escreverem algumas linhas sobre o saudoso Penafiel, e publicarei em breve. Obrigado, amigos (link logo acima).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *