Culurgiones com bottarga: a união de dois ícones da gastronomia da Sardenha

Silvio Podda e os culurgiones, espécie de ravióli recheado de batata, pecorino e hortelã – Foto de Bruno Agostini©
Bongiorno!!!
Nosso chef Silvio Podda adora culurgiones e bottarga.
O primeiro é uma massa fresca recheada com purê de batata, pecorino e hortelã. A segunda é a ova de tainha curada no sal, típica da Sardenha e que tem na cidade de Oristano, também famosa pelos vinhos Vernaccia envelhecidos (outra maravilha sarda!), a sua mais importante região produtora.
Aqui n’A Casa do Sardo a gente usa a Bottaga Gold, de Santa Catarina, com qualidade tão alta quanto as da Sardenha – tanto que exportam para lá.
Os culurgiones são originários da Sardenha. Porém foi na ilha de Ponza, importante centro pesqueiro, em frente a Napoli, que nasceu uma versão “maremonti” do prato. Ele é finalizado com bottarga ralada. Fica maravilhoso.
Aqui no Sardo servimos a versão tradicional, mas também esta da foto, que ainda tem um toque especial do chef: podemos finalizar no forno, deixando a massa crocante e levemente tostadinha.
“Os culurgiones são uma tradição da Sardenha. Aos domingos a gente reunia a família para preparar culurgiones. Sou o caçula de 11 irmãos. Preparávamos uns 200 numa tarde. Porque ainda tinham primos e tios. Era uma festa. Cada um comia mais de dez e de noite já não tinha mais nada. Então, terminávamos o dia comendo as seadas, doce típico da ilha, um pastel recheado com pecorino e regado com mel. Sobremesa que também preparamos artesanalmente no restaurante”, lembra o chef @silviopoddasardo
E você? Já provou culurgiones? E bottarga? E Vernaccia di Oristano? E seadas?
Curta. Comente. Compartilhe.
E venha nos visitar! Esperamos vocês com isso tudo e muito mais!!!
Um excelente fim de semana a todos!
Bacio!
* Este texto foi escrito para o perfil do Instagram da Casa do Sardo: @casadosardo
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.