Vinho da Semana: Valduero Crianza 2011, um senhor Ribera del Duero

O vinho se mostra jovem, elegante e gastronômico – Foto de Bruno Agostini

Vizinha à Veja Sicilia, a Valduero está entre as grandes bodegas da região de Ribera del Duero.

Bebo com certa frequência garrafas da safra 2011, que ainda se mostram jovens e com grande potencial de envelhecimento. Um belo vinho, cheio de frescor, com muita fruta, e uma acidez que lhe torna feliz e alegre, capaz de animar uma mesa.

Danilo, diretor da Palace, comprou há alguns anos um grande lote deste vinho, e ainda há boa quantidade dele na bonita adega deste histórica churrascaria de Copacabana, que acaba de completar 70 anos de vida.

Uma sorte. Este Vaduero Crianza tem imensas virtudes gastronômicas. É bem equilibrado, com perfeito balanço entre corpo, acidez e álcool, com estrutura firme, taninos sedosos e um notável frescor.

Já podemos notar sutis notas de evolução, com a fruta madura e suculenta, que bem traduz o clima da região, seca e ensolarada, mas de noites frescas, tudo propício para o perfeito amadurecimento das uvas. Tem notas de cerejas negras, amoras e ameixa seca, chocolate e um toque de baunilha. Balsâmico e defumado, é um vinho cheio de camadas e complexo.

No meu último almoço na Palace, que teve tinto de Champanhe (Pinot Noir) e espumante da Tasmânia, para começar, o Valduero brilhou, e muito.

Depois de um Alvarinho lindo da Quinta da Lixa, o sommelier Tiago decantou o vinho, como é de fato recomendável para aeração do líquido, de cor escura e brilhante. Assim ele pode liberar seus perfumes frutados e florais, com algo que já começa a remeter a terra molhada, cogumelos e cedro, como um passeio numa floresta úmida, com chão folhas secas e pedras cobertas de musgo.

Um dos grandes papéis de um vinho é se combinar com a comida. E é neste quesito que o Valduero brilha à mesa.

Fez bonito papel ao escoltar costeletas de porco preto, de origem portuguesa, e costelinhas de porco piau, raça caipira de carne lindamente rosada, novidade da semana na Palace.

A seguir, mostrou vigor ao se harmonizar com o magistral ancho preparado pelo mestre Silva, o churrasqueiro chefe da casa.

Com a chuleta de angus, meu corte preferido atualmente, ficou igualmente incrível, com taninos que seguravam a gordura e acidez eletrizante que limpava a boca.

Deu conta até mesmo do Tuti, parte nobre do famoso costelão da Palace, dividido em sete cortes distintos, um show de serviço.

Evoluindo na taça, assim como também ainda na garrafa, o Valduero Crianza chega aos seus 11 anos com vigor juvenil, personalidade e presença. De inocente, não tem nada mesmo. Verdade seja dita: é um senhor vinho.

Custa cerca R$ 225 em sites como Ponto Frio e Magalu. Acho um achado, excelente compra. E pode guardar. Quer provar o 2011? Na Palace ele custa R$ 280. Mais barato do que neste site República do Vinho, onde ele está em promoção: de R$ 799 por R$ 629.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.