Com “panini, dolci, gelati e caffè”, o Sardo’s abre as portas na Cobal do Humaitá

O “Spuntino Sardo” reúne queijos, embutidos, carnes curadas e azeitonas, com outros itens variáveis – Foto de divulgação

E o Sardo está de volta a Botafogo, desta vez instalado na Cobal, com seus sanduíches e sorvetes. Na verdade, tecnicamente, ali é o Humaitá. Mas é quase a mesma coisa, certo?

Inaugurou há alguns dias, ainda discretamente e em regime de soft opening, o Sardo’s, Fica naquela esquina entre o centro de abastecimento do Humaitá, espaço que o carioca tanto adora, e a rua Voluntários da Pátria, junto ao pátio de estacionamento, que anda (ainda bem) perdendo algumas vagas para dar espaço a mesas, cadeiras e ombrelones.

A cesta de pães de fermentação natural – Foto de Bruno Agostini©

O cardápio tem os sorvetes e pães produzidos em São Cristóvão, cafés da Lavazza e uma série de panini, que são os sanduíches à maneira italiana. Além de queijos, conservas e uma série de embutidos e carnes curadas os sanduíches são montados com polpetas, carne de cordeiro desfiada, tonno sotto’olio e outros itens que são especialidade da cozinha do chef Silvio Podda, da Casa do Sardo, que estará lá amanhã, dando as boas-vindas aos clientes e montando ele mesmo os panini.

Que tal um sorvetinho de avelã com chocolate, clássico italiano? – Foto de divulgação

Eu pediria muitos… A começar por uma combinação que eu acho fantástica em sua simplicidade: alici e manteiga (prove, é divino!).

Também recomendo o “polpette”, com almôndegas (as dele são ótimas) com molho de tomate; a “pécora”, de cordeiro desfiado; a “parmegiana”, de mozzarella de búfala, berinjela e tomate; a “tonno, salsa verde”, de atum com molho de salsinha; “salame e carciofi”, de salame e alcachofra… Verdade seja dita, eu comeria todos imensamente fliz (deixo os menus completos logo abaixo).

Outro destaque é o “Spuntino sardo”, uma seleção de pães, queijos, carnes curadas, embutidos.

Bomba de pistache da Casa do Sardo, agora em Botafogo – Foto de Bruno Agostini©

Entre os doces, tem bomba, tiramisù, panna cotta, cannoli, torta caprese, amaretti e até uma irresistível brasilidade: bolo de aipim fresco com coco.

Além de muitos sabores de sorvete.

A fachada da loja, antes uma franquia de mate – Foto de divulgação

Pena que estou longe do Rio, e sem planos de ir tão cedo. Só volto vacinado, ou se esse caos no país melhorar (muito).

O menu.

E MAIS:
De Bar em Bar: em Florença, inaugurada em 1875, a casa dos panini e dos Chianti é o menor grande bar do mundo

2 commentários
  1. Por morarmos no Humaitá, eu e minha esposa, somos frequentadores assíduos de todos os estabelecimentos da Cobal, e ontem, dia 20/08/21, fomos conhecer o Sardo’s, já havíamos dado uma espiada no Cardápio, o que nos animou mais ainda, já que a proposta e os preços eram bem agradáveis. Porém fomos surpreendidos com um servićo precário, onde a “long neck” foi alterada sem aviso prévio por latas quentes de cerveja a tábua veio acompanhada com uns pedacinhos (09) mínimos e mal cortados de pão, não há padrão no atendimento, nossos pedidos circulavam por várias mesas antes de chegar. Nem os utensílios usados têm padrã, os copos são variados, assim como as louças, o empratamento é feito cada hora de uma forma. O que salvou foi a qualidade das bruschettas e do conccino de pistache. Por fim, ao solicitar a conta, a mesma foi informada apenas verbalmente, sem registro por escrito do que fora pedido, como já sabia +/- o total, paguei sem maiores problemas. O dono, embora simpático e solícito, trafegou à todo instante com a máscara no queixo, o que evidenciou relativa falta de cuidado, considerando que fazia o atendimento nas mesas, bem como manipulava os alimentos. Torcemos por melhoras, pois a proposta, como já disse, é bem interessante.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.