Menus de Quarentena: os chefs e restaurantes que se reinventam – Parte 1

Maricos estão entre as melhores pedidas no Sult – Foto de Bruno Agostini

O restaurante Sult foi uma das grandes novidades na cena gastronômica carioca recentemente. Comandada por Thiago Flores, a cozinha logo conquistou os cariocas, e conseguir um lugar na casa passou a ser missão complicada: as filas chegavam a duas horas de espera. Hoje, com menos tempo, as pessoas recebem em domicílio os pratos que saem daquela cozinha, entre eles a melhor lasanha que já comi na vida, em cartaz esses dias.

Lasanha do Sult: se tiver, peça – Foto de Bruno Agostini

Não estava nos planos do Sult trabalhar com entregas. Assim como tantos outros bares e restaurantes, a adesão ao serviço de “delivery” ou “take away” (não entendo a razão dos anglicismos) foi a solução encontrada para tentar driblar os efeitos da CoVid 19 no mercado. Ao menos, assim como o Sult, há boas notícias nesse ambiente.

Cotoletta di maiale alla milanese, do Grado: imperdível – Foto de Bruno Agostini

O Grado, por exemplo, um restaurante italiano de competência espetacular, também não tinha planos de trabalhar com entregas, e assim atuou bom uns dois anos.  Agora, no conforto de seu lar, chegam os pratos preparados pelo chef Nello Garaventa, entre eles um agnolotti recheado de javali, ao molho cacio e pepe (queijo e pimenta), que certamente está entre as melhores coisas que podemos comer no Brasil.

Clafoutis de pera, em cartaz no menu de hoje: recomendamos – Foto de Bruno Agostini

Vizinho do Grado, Sud, o Pássaro Verde, é o (relativamente) novo restaurante da chef estrelada Roberta Sudbrack. Foi das primeiras a aderir forçadamente ao serviço de entregas. Hoje, por exemplo, tem ceviche de cavaquinha, pato assado com purê de batatas e pastrami da casa, além do onipresente clafoutis de pêra.

Estrogonofe é destaque no retorno do Volta – Foto de divulgação

Ainda na mesma rua Visconde de Carandaí, no Jardim Botânico, onde estão Grado e Sud, o Venga Taberna voltou às origens. O restaurante espanhol de Fernando Kaplan resgatou o Volta, um restaurante especial, com comida caseira brasileira, que para nossa infelicidade não vingou naquele local. Uma pena, mas agora ele está de volta, através do serviço de entregas.  Tem salpicão de frango com batata palha, bife à milanesa, carne assada e um já consagrado estrogonofe. Tá com fome? Veja, ainda, os pratos espanhóis do Venga.

Os coquetéis do NOSSO Ipanema também são enviados em garrafas, de 375 ml – Reprodução do Instagram @nossoipanema

Misto de bar e restaurante, o Nosso, em Ipanema, jamais programou trabalhar com serviço de entrega. Porém, a crise obrigou a casa a trabalhar assim, e desse modo é possível receber em casas um clássico do lugar, a manteiga de beterraba, com os pães produzidos pelo chef Bruno Katz, além de terrines, um burger fabuloso,  um bun de porco empanado e alguns pratos que certamente estão entre os melhores que podemos receber em casa.

Mas não é só comida, o Nosso – bar de respeito –  entrega, ainda, drinques:  tem Old Fashioned, Negroni e Boulevardier.

Menu chinês harmonizado com drinques, em quatro etapas – Foto de divulgação

Já o chinês Mr Lam também aposta na coquetelaria, e fez uma parceria com o Stuzzi, de lelo Forti e Alex Mersquita, craques da mixologia. Assim, nasceu um menu harmonizado, o “Mr. Lam & Stuzzi na Live”, com quatro opções de entradas do asiático e quatros drinques do bar, serviço vendido pelo site do Mr. Lam.  Tem satay de frango, rolinho primavera, camarões…

Polpettini do Gero: agora em casa – Foto de divulgação

Também sem jamais ter cogitado entregas, o grupo Fasano se rendeu à Covid: o Gero criou até aplicativo próprio, e nele é possível fazer pedidos: tem entradas, massas, pratos principais e sobremesas. Salada caprese, polpettine com molho de tomate, ravióli de mozzarela de búfala ao molho de tomate e manjericão e para o cavatelli alla piemontese (massa fresca de sêmola com molho de linguiça e cogumelo). O serviço de delivery inclui a possibilidade de doação para a União Rio. Porque bem não é o bastante, ajudar restaurantes e boas causas também é preciso.

* Este post foi escrito originalmente para a página Querentenanews, do Facebook, reunindo um time muito bacana de jornalistas, capitaneado pelos idealizadores Jorge Antônio Bastos e Bruno Thys, do qual orgulhosamente faço parte.

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *