Agenda: dia 27, no Farrapos Winebar, em Copacabana, acontece imperdível degustação de comidinhas e vinhos

Terceira etapa da degustação, a R$ 63: sardinha marinada e Compromisso – Foto de Bruno Agostini®

Um amigo temeroso em relação à Covid já havia sugerido um encontro nosso lá, dizendo que tinha mesas ao ar livre, além de bons preços e, sobretudo, uma lista de vinhos bem escolhida e uma comida muito boa. E o Instagram não me deixa mentir. Foi só no dia 14 de julho de 2021 que eu tive a alegria de conhecer o Farrapos Winebar e seu vizinho-irmão, a Tasca dos Gajos. Fiz, animado com a descoberta, este post aqui: “De Bar em Bar: Farrapos, em Copacabana, um lugar perfeito para apreciar vinhos e comidinhas excelentes“.

A dupla Tony Campos, personal trainer carioca, e Pedro Freitas, chef português, comanda a casa. A dobradinha parece improvável, mas dá supercerto. O lugar tem as virtudes destacadas pelo bem amigo, bom de garfo e de copo, e eu acrescentaria ainda que o serviço é simpático e descontraído.
Gostei tanto do lugar que fiquei amigo dos donos. E, entre uma visita e outra, surgiu a ideia de organizar uma degustação, de alguns petiscos da casa, em versão reduzida, com uma seleção de vinhos feita por mim. Estarei lá no dia para um bate-papo informal, sobre espumantes, vinhos do Minho, harmonização e tudo o mais que envolve o universo da boa mesa.

Vai ser no dia 27 (que a Ômicron permita!), das 17h às 20h, com mesas na calçada, ao ar livre, e para um público reduzido, com reservas limitadas. Serão quatro comidinhas e quatro vinhos (100 ml de cada), por R$ 63. Reservas, com pagamento antecipado, nos telefones 3518-2654 e (21) 99890-6629 (WhatsApp).

Vai ser assim:
Abrimos com ostra e espumante, como boas-vindas. As ostras chegam de Santa Catarina, e são distribuídas no Rio pelo amigo Leo da Ostra, que também entrega três vezes por semana na churrascaria Palace. O espumante é o Barão Barros Brut, corte de Riesling Itálico, Prosecco e Chardonnay, leve e refrescante.
Em seguida, teremos mexilhões à vinagrete. Vai ser o encontro da acidez do tempero, e a sua salinidade marinha, com a do vinho, o Guigas branco, jovem, fácil de beber e de gostar, com a sua aptidão para a boa mesa e para ser bebido às goladas gulosas (vai ser difícil você não pedir uma garrafa depois da degustação).
Depois, o prato que me fez cair de amores pelo Farrapos (a história está neste post aqui: foi a minha primeira e aprazível reunião para começar um trabalho de promoção dos vinhos da Quinta da Lixa. E deu nesse evento do dia 27 e em muitas andanças pelos melhores bares e restaurantes do Rio, nos últimos meses). É a bruschetta de sardinha curada na casa sobre tapenade de azeitonas pretas. Daquela vez, bebemos o Guigas que será servido anteriormente. Agora, a gente sobe um degrau, harmonizando o petisco com o Compromisso, um Loureiro 100%, do Minho, da denominação dos Vinhos Verdes, essa região que faz vinhos tão apropriados para o nosso clima e a nossa gastronomia, tradição carioca por conta da colonização: a grande maioria dos portugueses que vieram para o Rio eram minhotas.
Aí, com garra do Guigas em mãos, ou do Compromisso, a gente vai abrir um Guigas Rosé, arrematando a brincadeira com uma linguiça artesanal que está estreando no menu.
Aposto que vai ser divertido. Garanta logo a sua vaga, serão poucas.
O Farrapos fica na Rua Anita Garibaldi 83, ali junto ao Bairro Peixoto.
Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.