Agenda da Semana: tem menu de cordeiro na Casa do Sardo e jantar harmonizado no Giuseppe Grill

Tataki de Wagyu com ponzu de carne, destaque no menu do Malta – Foto de Bruno Agostini

Aos poucos, com todas as medidas necessárias em relação ao Coronavírus, bares e restaurantes vão fazendo menus especiais e pequenos eventos, quase sempre com menus degustação harmonizados. Já falamos aqui do cardápio comemorativo dos três anos do incrível Malta Beef Club (link aqui), do incansável italiano Silvio Podda, que toda semana tem novidade (link aqui), e do serviço de entregas da Palace (link aqui), entre outros posts tratando do assunto, como o Sult, que vem fazendo isso regularmente também (link aqui).

Eu mesmo estou organizando alguns, em breve conto aqui, mas entre os que estão me entusiasmando é um menu chamado “O Porco Chinês”, com quatro pratos suínos que gosto de fazer em casa: Tem lombo salteado, gyoza, arroz de costelinha e barriga crocante.

Silvio Podda e um vinhedo de Cannonau, na Sardenha – Foto de Bruno Agostini

Hoje e amanhã Silvio Podda apresenta novidade. Se na semana passada o tema foi o leitão, desta vez é o cordeiro (nos dois casos, de criação própria, orgânica, em  no interior de São José dos Campos, a caminho de São Francisco Xavier (em São Paulo), em fazenda familiar.

Paisagem típica da Sardenha: ovelha e cordeiros pastando – Foto de Bruno Agostini

Para variar ele alcança ótimos preços, para um menu em quatro etapas, com a carne de cordeiro (R$ 98 para um; R$ 178 para dois e R$ 300 para quatro – ou seja, R$ 75 por pessoa, uma pechincha. Neste caso, de quatro pessoas, o menu pode ser harmonizado com quatro vinhos, totalizando 16 taças, por R$ 790 no total).

Primeiro, bollito di agnello (cozido de cordeiro, que fica horas no fogo, com salada ao molho de hortelã). Depois, malloredus – massa típica da Sardenha, ao ragu de cordeiro. O principal é o cordeiro ao limão e ovo “É uma receita de minha mãe”, diz o chef Podda.

Seadas, sobremesa tradicional da Sardenha: pastel de pecorino regado com mel – Foto de Bruno Agostini

Para encerrar, outro clássico da ilha: seadas (pastel crocante de queijo pecorino, laranja ,mel), que eu eu adoro. Detalhe que todos devem saber. Pécora é ovelha em italiano, e o queijo é feito com o leite dela, que vem a ser a mãe do cordeiro, como também é de conhecimento geral: só para constar.

É parte do Festival “Esperando a Primavera”, estação que, aliás, começou hoje de manhã.

Amo cordeiro, a ponto de beijar, especialmente a paleta assada e as costeletas na brasa (sempre quis publicar essa foto, feita na sardenha no ano passado) – Foto de Silvio Podda

“Na dieta Mediterrânea a carne de cordeiro é a primeira que o pediatra libera para as crianças, a mais leve, a mais pura e genuína. Esta carne está presente na dieta dos ultracentenari da ilha da Sardenha , junto as queijos pecorino de ovelha”, conta o cozinheiro, lembrando da imensa população de pessoas com mais de 100 anos que habitam a ilha.

Reservas e informações diretamente com @silviopoddadasardenha ou no WhatsApp  (21) 98299-0988. O menu é servido de das 13 às 22 horas, hoje e amanhã (dias 22 e 23/9). Também pode ser pedido para entrega em casa, com reserva programada com 12 horas de antecedência.

Amanhã, no Giuseppe Grill, tem jantar harmonizado, a partir das 19h, com vinhos orgânicos.  Couvert e amuse bouche (vieiras) com  o argentino Las Moras Viognier. Depois, tartare de salmão ou caesar salad ou panelinha de ostras, com o francês Claude Val Rosé. Em seguida a casa de carnes de Marcelo Torres, no Leblon,  Steak café de Paris ou paleta de cordeiro ou espaguete à Constanza (com ragu de mignon) com o chileno De Martino Reserva Estate Carménère. Por fim, tem créme caramel ou Romeu e Julieta ou papo de anjo, com o português Fonseca Tawny. Custa R$ 198 mais 12% por pessoa. Reservas no 2249-3055 ou (21) 9959-5277.

Já no seu restaurante irmão, o Giuseppe Mar, no Village Mall, amanhã também tem menu harmonizado, mas de acordo com a especialidade da casa, serão pescados com vinhos brancos. Começa com ostra gratinada servida com o belo espumante brasileiro Lírica Brut. Em seguida, tem gravlax de cherne, com Amalaya Torrontés-Riesling, inusitado germano-argentino (fiquei curioso para provar). O principal é namorado ao forno com mousseline e tempurá de couve-flor, com o italiano Armani Pinot Grigio. Para fechar, panna cotta de frutas vermelhas com o excelente Alambre Moscatel Roxo, um português fortificado que adoro. Custa R$ 218 (mais 12%). Informações e reservas nos telefones 3252-2588 e 96745-0248.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *